Promoção!

POESIAS DO COTIDIANO

R$40,00 R$35,00

Características

Cover_front_perspective

Número de páginas: 98

Edição: 1(2018)

ISBN: 978-85-924126-0-9

Formato: A5 148×210

Coloração: Preto e branco

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g

Categoria

Descrição

UM POETA DO COTIDIANO

Da Academia Norte-riograndense de Letras. Presidente do Conselho Estadual de Cultura

Janio Varela Sobral já não é mais uma revelação da poesia potiguar, pois este não é seu primeiro livro. Há mais de 20 anos publicou seu primeiro livro, sempre mantendo um fino humor e um estilo elegante, mas ao mesmo tempo irreverente e mordaz.

Teve um grande companheiro nas letras. O poeta Afranio Lemos, um dos mais lúcidos escritores da literatura do Estado foi seu associado em algumas aventuras literárias. Junto publicaram alguns livros de poemas, aliando o trabalho artesanal das letras com a inspiração poética do cotidiano.

A qualidade do seu texto poético nos revela um poeta pouco usual. Trabalhar com as palavras, reduzir o texto ao mínimo indispensável à compreensão, sem contudo ferir a inventividade, a coerência e a beleza das palavras trem sido uma marca de tudo que produz, como nesse fragmento de “Distancia”: Esta difícil distancia / que sufoca e aflige / serve de parâmetro agora / para tomada de decisões futuras.

Aliás, Janio Sobral tem vivido com a arte há mais tempo do que com a poesia. Trabalhou no atelier de Manxa auxiliando no entalhe dos grandes painéis que enfeitavam os salões do BANDERN e que ainda enfeitam agencias do Banco do Brasil, Caixa e repartições públicas. O lavor com o entalhe deve ter esculpido na sua alma a veia poética que faz-se evidente nesse POESIAS DO COTIDIANO.

O poeta é sempre um visionário. Tem uma visão do mundo completamente diferente dos outros mortais. Ele não vê somente com os olhos, imprimindo na retina o que todos vêem, mas com a alma que vê além da ótica, que interpreta o que é visto e que busca nos ângulos e imagens mais simples, uma mensagem que é adequada aos sonhos e visões diferenciadas.

“Tudo começa com a vida / e termina com ela” exclama o poeta, mesmo sabendo que a poesia não termina com a vida pois a ela é destinado o eterno.

O cotidiano, certamente é uma coisa comum para qualquer mortal É o simples, o corriqueiro, o comum. Para o poeta, o cotidiano é um deslumbramento mágico que ele consegue desvendar nas menores coisas da vivencia, nas mais simples coisas do dia a dia que parecem apenas uma simples continuidade da vidinha chata e comum. O cotidiano do poeta é um permanente deslumbrar de coisas, uma busca de identificar os sinais do tempo como o mago vidente. Uma folha que dobra-se ante o peso da gota de orvalho, a sombra de uma árvore que desenha no chão o ponteiro do relógio das horas ou a imagem da lua refletida no espelho das águas.

Esse o cotidiano do poeta que Janio nos traz nas páginas do seu livro, como um presente e uma lição de que nas pequenas coisas é que são revelados os maiores encantamentos.

IAPERI ARAUJO

Categorias: ÓperaHínosFósseisPoesiaNaturezaMúsica

Informação adicional

Peso 250 kg
Dimensões 21 x 14 x 1 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “POESIAS DO COTIDIANO”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *